O papel da respiração no cinema de horror contemporâneo

  • Rodrigo Carreiro Universidade Federal do Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil
Palavras-chave: Respiração, Horror, Voz, Sound design, Cinestesia

Resumo

Nas últimas três décadas, a respiração tem ganhado mais destaque no som de filmes, especialmente de horror. Impulsionados por avanços tecnológicos, cineastas, atores e sound designers têm dado mais ênfase ao conteúdo não semântico da voz. Partindo de extensa revisão histórica e conceitual, este artigo analisa os motivos do fenômeno, procurando refletir sobre a construção do som em filmes contemporâneos de horror, e sugerindo que a tendência estilística da respiração proeminente na banda sonora ativa um potencial sinestésico de engajamento afetivo entre espectador e personagem, com capacidade de mobilizar outros sentidos fisiológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Carreiro, Universidade Federal do Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco. Professor do Departamento de Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

AUMONT, Jacques. O cinema e a encenação. Lisboa: Texto & Grafia, 2006.

BARKER, Jennifer. The tactile eye: touch and the cinematic experience. Berkeley: University of California Press, 2009.

BORDWELL, David. The introduction of sound. In: BORDWELL, David; THOMPSON, Kristin; STEIGER, Janet (orgs.). The classical Hollywood cinema: film style & mode of production to 1960. New York: Columbia University Press, 1985, p. 536-547.

BORDWELL, David. The way Hollywood Tells it: story and style in modern movies. Los Angeles: University of California Press, 2006.

BUHLER, James; NEUMEYER, David; DEEMER, Rob. Hearing the movies: music and sound in film history. New York: Oxford University Press, 2010.

CAPELLER, Ivan. Raios e trovões: hiper-realismo e sound design no cinema contemporâneo. Catálogo da mostra O som no cinema, Rio de Janeiro: Caixa Cultural, 2008, p. 65-70.

CARREIRO, Rodrigo. A história do som dos filmes. In: CARREIRO, Rodrigo (Org.). O som do filme: uma introdução. Curitiba: Editora da UFPR/Editora da UFPE, 2018, p. 36-86.

__________. Principais teorias do som no cinema. In: CARREIRO, Rodrigo (Org.). O som do filme: uma introdução. Curitiba: Editora da UFPR/Editora da UFPE, 2018, p. 87-120.

__________. Sobre o som no cinema de horror: padrões recorrentes de estilo. In: Ciberlegenda, Rio de Janeiro (UFF), v. 1, n. 24, p. 43-53, mai. 2017.

CARROLL, Noël. A filosofia do horror ou paradoxos do coração. Campinas: Papirus, 1999.

CHION, Michel. A audiovisão: som e imagem no cinema. Lisboa: Texto & Grafia, 2008.

COSTA, Fernando Morais. Teorias sobre voz nas décadas de 1960 e 1970 e cinema contemporâneo. In: Novos Olhares, v. 6, n. 2, p. 22-29, ago. 2017.

COULTHARD, Lisa. Haptic aurality: resonance, listening and Michael Haneke. In: Film-Philosophy, v. 16, 2012, p. 16-29.

DOANE, Mary Ann. A voz no cinema: a articulação de corpo e espaço. In: XAVIER, Ismail (org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

ELSAESSER, Thomas; HAGENER, Malte. Teoria do cinema: uma introdução através dos sentidos. Campinas: Papirus, 2018.

FRAYNE, John G. Motion Picture sound recording: a capsule history. In: Journal of the Audio Engeneering Society, n. 24, v. 6, p. 512-516, 1976.

GREENE, Liz. The labour of breath: performing and designing breath in cinema. In: Music, sound, and the moving image, v. 10, n. 2, 2016, p. 109-133.

JAECKLE, Jeff. Film dialogue. New York: Columbia University Press, 2013.

KERINS, Mark. Beyond Dolby (Stereo): Cinema in the digital sound age. Bloomington: Indiana University Press, 2010.

KRACAUER, Siegfried. Theory of film. New Jersey: Princeton University Press, 1997.

LASTRA, James. Fidelity versus intelligibility. In: STERNE, Jonathan (org). The sound studies reader. New York: Routledge, 2012, p. 248-254.

LOVATT, Philippa. Breathing bodies: sounding subjectivity in the war film. In: Music, sound, and the moving image, v. 10, n. 2, 2016, p. 167-188.

MARKS, Laura U. The Skin of the film: intercultural cinema, embodiment, and the senses. Durham: Duke University Press, 1999.

QUINLIVAN, Davina. The place of breath in cinema. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2011.

SCHAFER, Murray. A afinação do mundo. São Paulo: Editora Unesp, 2001.

SCHAUB, Mirjam. Bilder aus dem off: zum philosophischen stand der kinotheorie. Weimar: VDG, 2005.

SERGI, Gianluca. In defense of vulgarity. In: Scope, v. 5, n. 1, 2006. Disponível em http://www.scope.nottingham.ac.uk/article.php?id=129&issue=5. Acesso em 29 abr. 2019.

SHAVIRO, Steven. O corpo cinemático. São Paulo: Editora Paulus, 2015.

SMITH, Jeff. “The sound of intensified continuity”. In: RICHARDSON, John; GORBMAN, Claudia; VERNALLIS, Carol (orgs.). The Oxford Handbook of new audiovisual aesthetics. New York: Oxford University Press, 2013, p. 331-356.

SOBCHACK, Vivian. Carnal thoughts: embodiment and moving image culture. Berkeley: University of California Press, 2004.

WHITINGTON, William. Horror sound design. In: BENSHOFF, Harry M. (org.). A companion to the horror film. West Sussex: Wiley Blackwell, 2014, p. 168-185.
Publicado
08-04-2020
Como Citar
Carreiro, R. (2020). O papel da respiração no cinema de horror contemporâneo. E-Compós, 23. https://doi.org/10.30962/ec.1860
Seção
Artigos Originais