No ritmo da industrialização da cultura: cinemanovistas e o jornalismo televisivo (1971-1973)

  • Igor Sacramento
Palavras-chave: Cinemanovistas, Indústria cultural, Televisão, Jornalismo

Resumo

Este artigo estuda as condições que possibilitaram a associação de cinemanovistas ao jornalismo televisivo, a partir da inédita experiência da série de documentários Globo-Shell Especial que se deu entre 1971 e 1973 e foi precursora do Globo Repórter. Publicadas em O Globo e em Filme Cultura, as impressões de Geraldo Sarno, Gustavo Dahl, Paulo Gil Soares e Walter Lima Júnior sobre os seus trabalhos para o programa ajudam tanto a discutir a respeito da (re)inserção institucional de artistas de esquerda à industria cultural quanto acerca da aproximação de dois campos relativamente autônomos – cinema e televisão.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como Citar
Sacramento, I. (2007). No ritmo da industrialização da cultura: cinemanovistas e o jornalismo televisivo (1971-1973). E-Compós, 8. https://doi.org/10.30962/ec.130
Edição
Seção
Dossiê Temático

Most read articles by the same author(s)