O sofrimento ético no mundo do trabalho dos jornalistas

  • Thales Vilela Lelo Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: Jornalismo, ética, trabalho, sofrimento, entrevista

Resumo

Com base em uma análise qualitativa de entrevistas semiestruturadas realizadas com 15 repórteres que atuavam no Estado de São Paulo em 2016, este artigo conceitua um fenômeno recorrente nas trajetórias de jornalistas brasileiros e escassamente documentado pela literatura, a saber, o sofrimento ético. Tencionando duas chaves explicativas oferecidas pela sociologia do jornalismo que tomam relatos de infração aos códigos deontológicos como sintoma da inconsciência de classe entre os comunicadores ou como resultado das transformações nas organizações de mídia, este estudo recupera o arcabouço da economia política da comunicação para demonstrar a persistência histórica do sofrimento ético.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thales Vilela Lelo, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Pesquisador de Pós-doutorado no Departamento de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA-USP, com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Mestre em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais.

 

Referências

ABREU, Alzira. Jornalistas: de românticos a profissionais. Antropolítica, n.5, p. 7-19, 1998.

______. A modernização da imprensa (1970-2000). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

ADGHIRINI, Zélia. Mudanças estruturais no jornalismo: travessia de uma zona de turbulência. In: PEREIRA, F.; MOURA, D.; ADGHIRNI, Z. (Org.) Jornalismo e sociedade: teorias e metodologias. Florianópolis: Editora Insular, 2012. p. 61-79.

ALBUQUERQUE, Afonso; SILVA, Marco. Preparados, leais e disciplinados: os jornalistas comunistas e a adaptação do modelo de jornalismo americano no Brasil. E-Compós, v. 9, p. 1-30, 2007.

ALBUQUERQUE, Afonso. A modernização autoritária do jornalismo brasileiro. Alceu, v.10, n.20, p. 100-115, 2010.

ALBUQUERQUE, Afonso; PINTO, Pâmela. O inferno são os outros: mídia, clientelismo e corrupção. FAMECOS, v.21, n.2, p. 541-562, 2014.

ALBUQUERQUE, Afonso; SILVA, Marco. As Diretrizes Curriculares de Jornalismo e o modelo cartorial de ensino universitário. Questões Transversais, v. 3, n. 5, p. 27-35, 2015.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: uma reportagem sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BOLAÑO, César. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? São Paulo: Paulus, 2007.

BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: <https://www.presidencia.gov.br/casacivil/site/static/le.htm>. Acesso em: 26 jul. 2018.

BULHÕES, Juliana; RENAULT, David. A precarização da prática jornalística: uma revisão bibliográfica sobre o impacto das condições de trabalho na saúde e qualidade de vida do jornalista. Parágrafo, v. 4, n. 2, p. 166-174, 2016.

CLOT, Yves. A função psicológica do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2007.

DALMONTE, Edson. É preciso ordenar a comunicação? Questionamentos acerca da necessidade de instâncias mediadoras entre mídia e público. Estudos em Jornalismo e Mídia, v. 8 n. 1, p. 21-38, 2011.

DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

______. A sublimação, entre sofrimento e prazer no trabalho. Revista Portuguesa de Psicanálise, v. 2, n.33, p. 9-28, 2013.

FENAJ. Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros. Brasília: Federação Nacional dos Jornalistas, 2008.

______. Violência contra jornalistas e liberdade de imprensa. Brasília: Federação Nacional dos Jornalistas, 2017.

FÍGARO, Roseli. Atividade de comunicação e trabalho dos jornalistas. E-Compós, v.16, n.1, p. 1-20, 2013.

______; LIMA, Cláudia; GROHMANN, Rafael. As mudanças no mundo do trabalho do jornalista. São Paulo: Salta/Atlas, 2013.

______; LIMA, Cláudia. A autocensura como aspecto da prática no mundo do trabalho dos jornalistas. Líbero, v. 19, n. 37, p. 71-80, 2016.

FONSECA, Virgínia. A subordinação do jornalismo à lógica capitalista da indústria cultural. FAMECOS, n.17, p. 126-141, 2002.

______. Indústrias culturais e capitalismo no Brasil. Em Questão, v. 9, n. 2, p. 309-326, 2003.

______. O declínio da notícia no jornalismo pós-fordista dos conglomerados multimídia. E-Compós, v. 2, p. 1-26, 2006.

GENRO FILHO, Adelmo. O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Porto Alegre: Tchê!, 1987.

HELOANI, José. Mudanças no mundo do trabalho e impactos na qualidade de vida do jornalista. São Paulo: FGV, 2005.

HIRIGOYEN, Marie-France. Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

HONNETH, Axel. El reconocimiento como ideología. Isegoría, n. 35, p. 129-150, 2006.

LIMA, Samuel. Os impactos do mercado jornalístico na vida dos trabalhadores: um estudo sobre indicadores de saúde dos jornalistas brasileiros. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 16., 2018, São Paulo. Anais... São Paulo: Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, 2018. p. 1-16.

LIMA, Venício. Liberdade de expressão x liberdade de imprensa: direito à comunicação e democracia. São Paulo: Publisher Brasil, 2010.

McMANUS, John. The Commercialization of News. In: WAHL-JORGENSEN, K.; HANITZSCH, T. (Org.). The Handbook of Journalism Studies. New York and London: Routledge, 2009. p. 218-233.

MICK, Jacques; LIMA, Samuel. Perfil do jornalista brasileiro: características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Florianópolis: Insular, 2013.

MORETZSOHN, Sylvia. Jornalismo em tempo real: o fetiche da velocidade. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

______. O “novo ritmo da redação” de O Globo: a prioridade ao jornalismo digital e seus reflexos nas condições de trabalho e produção da notícia. Parágrafo, v.2, p. 146-165, 2014.

PAGANOTTI, Ivan. Ecos da censura na regulamentação de meios de comunicação: propostas democráticas de controle e a herança autoritária em Portugal e no Brasil. Eptic, v.19, n.1, p. 26-43, 2017.

PEREIRA, Fábio; ADGHIRNI, Zélia. O jornalismo em tempo de mudanças estruturais. Intexto, v.1, n.24, p. 38-57, 2011.

REBOUÇAS, Edgard. Estratégia retórica dos “donos” da mídia como escudo ao controle social. Líbero, n.17, p. 41-49, 2006.

REIMBERG, Cristiane. O exercício da atividade jornalística na visão dos profissionais: sofrimento e prazer na perspectiva teórica da psicodinâmica do trabalho. 2015. 376 f. Tese (Doutorado em Comunicação) - Programa Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SCHWARTZ, Yves. Conceituando o trabalho, o visível e o invisível. Trabalho, Educação e Saúde, v. 9, supl. 1, p. 19-45, 2011.

Publicado
20-12-2019
Como Citar
Lelo, T. V. (2019). O sofrimento ético no mundo do trabalho dos jornalistas. E-Compós, 23. https://doi.org/10.30962/ec.1843
Seção
Artigos Originais