Corpos pós-humanos e com deficiência em ambientes digitais

abordagens transversais a partir da hashtag #somostodosparalímpicos

Palavras-chave: Deficiência. Jogos Paralímpicos. Corpo. Ciborgue. Pós-humanos.

Resumo

A partir da campanha #somostodosparalímpicos, da revista Vogue Brasil, discutimos dinâmicas sociopolíticas do corpo e representações do corpo com deficiência no senso comum e nas redes sociais digitais. A metodologia partiu de uma abordagem de inspiração etnográfica para análise qualitativa, com o objetivo de compreender as relações sociopolíticas da representação de corpos e a representação de pessoas com deficiência a partir de mensagens articuladas pela hashtag da campanha. Foram analisadas as articulações entre a visibilidade da deficiência e o relacionamento simbiótico entre homem e máquina nas mídias sociais no contexto dos Jogos Paralímpicos. Se, por um lado, a campanha garantiu o aumento da venda de ingressos para a Paralimpíada, por outro, minimizou a representatividade de pessoas com deficiência tendo em vista a substituição dos paratletas por atores e a hibridização com corpos supostamente belos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sônia Caldas Pessoa, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Doutora em Estudos Linguísticos pela Faculdade de Letras (FALE) da Universidade Federal de Minas Gerais. Professora do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação – PPGCOM/UFMG. Coordenadora do Afetos: Grupo de Pesquisa em Comunicação, Acessibilidade e Vulnerabilidades.

Camila Maciel C. Alves Mantovani, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais. Professora do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Coordenadora do Colegiado do Curso de Relações Públicas. É co-coordenadora do Afetos: Grupo de Pesquisa em Comunicação, Acessibilidade e Vulnerabilidades.

Verônica Soares da Costa, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Professora do curso de Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.  Mestra em História, Política e Bens Culturais pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getúlio Vargas. Membro do Programa de Comunicação Científica, Tecnológica e de Inovação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig).

Referências

ANDRADE, Graziela Correa de. Corpografias em dança: da experiência do corpo sensível entre a informação e a gestualidade. Belo Horizonte: Editora Scriptum, 2017.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 19 maio 2019.

BRAIDOTTI, Rosi. The Posthuman. Cambridge: Polity Press, 2013.

CAMPBELL, Fiona Kumari. Contours of Ableism: the Production of Disability and Abledness. Great Britain: Palgrave Macmillan, 2009. Disponível em: <https://www.academia.edu/18172536/Contours_of_Ableism_The_Production_of_Disability_and_Abledness_2009>. Acesso em: 19 maio 2019.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2014.

D'ANDREA, Carlos. Conexões intermidiáticas entre transmissões audiovisuais e redes sociais online: possibilidades e tensionamentos. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 18., 2014, Belém. Anais… Belém: Universidade Federal do Pará, 2014.

D’ANDREA, Carlos. Controvérsias midiatizadas no Twitter durante transmissões televisivas ao vivo: a rede “exoesqueleto” na abertura da Copa 2014. Revista FAMECOS: Mídia, Cultura e Tecnologia, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 1-21, maio/ago. 2016a.

D’ANDREA, Carlos. #vergonhabrasil: controvérsias midiatizadas no Twitter durante e após o jogo Brasil 1 x 7 Alemanha. Intercom, Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 99-114, set./dez. 2016b.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

HARAWAY, Donna. Manifesto Ciborgue: Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: HARAWAY, Donna; KUNZRU, Hari; TADEU, Tomaz. Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

KELL. Peter; KELL, Marilyn; PRICE, Nathan. Two games and one movement? The Paralympics and the Olympic movement. In: KELL, Peter; VIALLE, Wilma; KONZA, Deslea; VOGL, Gillian (Ed.). Learning and the learner: exploring learning for new times. Australia: Faculty of Education, University of Wollongong, 2008. Disponível em: <http://ro.uow.edu.au/edupapers/37>. Acesso em: 19 maio 2019.

MENDONÇA, Carlos Magno. Experiência e significação. In: LEAL, Bruno; MENDONÇA, Carlos Magno. Entre o sensível e o comunicacional. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2010. p-179-188.

MONTEIRO, Marko Synésio Alves. Os dilemas do humano: reinventando o corpo numa era (bio)tecnológica. São Paulo: Annablume, 2012.

NOVAIS, Rui Alexandre; FIGUEIREDO, Tatiane Hilgemberg. A visão bipolar do pódio: olímpicos versus paraolímpicos na mídia online do Brasil e de Portugal. Logos 33, Comunicação e Esporte, v. 17, n. 2, p. 78-89, 2010. https://doi.org/10.12957/logos.2010.861

PESSOA, Sônia Caldas. Imaginários sociodiscursivos sobre a deficiência: experiências e partilhas. Belo Horizonte: PPGCOM UFMG, 2018. (Coleção Tese). Disponível em: <http://www.seloppgcom.fafich.ufmg.br/index.php/seloppgcom/catalog/book/21>. Acesso em: 19 maio 2019.

PESSOA, Sônia Caldas; MANTOVANI, Camila Alves Campolina; COSTA, Verônica Soares da. Somos todos paralímpicos? Transversalidades entre corpos biocibernéticos e pós-humanos em redes sociais online. In: ZILLER, Joana. D’ANDREA, Carlos (Org.). Olimpíadas Rio 2016: mídia, política, humor. Belo Horizonte: PPGCOM UFMG, 2017.

RECUERO, Raquel; ZAGO, Gabriela. A Economia do Retweet: Redes, Difusão de Informações e Capital Social no Twitter. Revista Contracampo, Niterói, v. 24, n. 1, p. 19-43, jul. 2012.

ROGERS, Richard. Digital Methods for Web Research. Emerging Trends in the Social and Behavioral Sciences, p. 1-22, 2015.

ROUANET, Sergio Paulo. O homem-máquina hoje. In: NOVAES, Adauto (Org.). O homem- máquina: a ciência manipula o corpo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SILVA, Carla Filomena; HOWE, David P. The (In)validity of Supercrip Representation of Paralympian Athletes. Journal of Sport and Social Issues, v. 36, n. 2, p. 174-194, 2012. https://doi.org/10.1177/0193723511433865

VENTURINI, Tommaso; BOUNEGRU, Liliana; GRAY, Jonathan; ROGERS, Richard. A Reality Check(List) for Digital Methods. New Media & Society, v. 20, n. 11, nov. 2018.

Publicado
28-01-2020
Como Citar
Pessoa, S. C., Mantovani, C. M. C. A., & Costa, V. S. da. (2020). Corpos pós-humanos e com deficiência em ambientes digitais. E-Compós, 23. https://doi.org/10.30962/ec.1906
Seção
Artigos Originais