Os sentidos do desastre em Mariana

campos problemáticos e polifonia na cobertura do portal Estado de Minas

Palavras-chave: Desastre em Mariana., Cobertura de Desastres., Campos Problemáticos., Acontecimento., Fontes Jornalísticas.

Resumo

O artigo analisa a cobertura do portal em.com.br sobre o rompimento da barragem da Samarco em Mariana/MG em novembro de 2015. Divididas em quatro fases temporais distintas, as matérias que compõem o corpus documental ajudam a compreender os pontos de vista mobilizados pelas fontes escolhidas pelos jornalistas para narrar e dar sentido ao ocorrido. Concluímos que o acionamento de fontes põe em funcionamento um ritual estratégico de polifonia dentro das rotinas produtivas jornalísticas desestabilizadas pelos desastres enquanto os campos problemáticos evidenciados pelo rompimento da barragem são os verdadeiros orquestradores do sentido social do acontecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Franz Amaral, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria. Pesquisadora do CNPq.

Elise Azambuja Souza, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

Julia Capovilla Luz Ramos, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutora em Comunicação pelo Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Membro do Grupo de Pesquisa Estudos de Jornalismo (CNPq) - UFSM.

Referências

ALMEIDA, Raquel. A voz da imprensa nas primeiras horas da tragédia. In: CALDAS, Graça (Org.). Vozes e silenciamentos em Mariana: crime ou desastre ambiental. Campinas: BCCL/UNICAMP, 2017, p. 106-113.
ARENDT, Hannah. Compréhension et politique, Esprit, n. 42, p. 66-79, 1908.
AMARAL, Márcia Franz. Fontes testemunhais, autorizadas e experts na construção jornalística das catástrofes. Revista Líbero, São Paulo, v. 18, n. 36, p. 43-54 2015.
BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévsky. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.
CASTRO, Antônio L. Coimbra de. Glossário de Defesa Civil, Estudos de Riscos e Medicina de Desastres. Brasília. 1998.
COTTA, Pery. Jornalismo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Livraria e Editora Rubio, 2005.
DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Campinas, SP: Pontes Editores, 1987.
FRANÇA, Vera. O acontecimento para além do acontecimento: uma ferramenta heurística. In: FRANÇA, Vera Regina Veiga; OLIVEIRA, Luciana de (Org.). Acontecimento: reverberações. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.
HALL, Stuart; CHRITCHER, Chas; JEFFERSON, Tony; CLARKE, John; ROBERTS, Brian. A produção social das notícias: o mugging nos media. In: TRAQUINA, Nelson (org.) Jornalismo: questões, teorias e estórias. Florianópolis: Insular, 2016.
LOZANO ASCENCIO, Carlos. La expresión/representación de catástrofes a traves de su divulgación científica em los médios de comunicación social (1986-1991). Tesis doctoral. Madrid. Universidad Complutense de Madrid, 1995.
MACHADO, Marcia Benetti. Jornalismo e perspectivas de enunciação: uma abordagem metodológica. Intexto, Porto Alegre, v.1, n.14, p. 1-11, 2006.
MACHADO, Marcia Benetti; JACKS, Nilda. O Discurso jornalístico. Brasília: Compós, 2001. Disponível em: <http://www.u±rgs.br/gtjornalismocompos/doc2001/machado_jacks2001.rt±>. Acesso em 28 jun. 2017.
MEDINA, Cremilda. Notícia, um produto à venda: jornalismo na sociedade urbana e industrial. Summus Editorial, 1988.
POEMAS. Antes fosse mais leve a carga: avaliação dos aspectos econômicos, políticos e sociais do desastre da Samarco/Vale/BHP em Mariana (MG). Mimeo, 2015.
QUÉRÉ, Louis. A individualização do acontecimento no quadro da experiência pública. Caleidoscópio, Revista de Comunicação e Cultura, Lisboa, v. 10, p. 13-37, 2011.
______. Entre o facto e sentido: a dualidade do acontecimento. Trajectos, Revista de Comunicação, Cultura e Educação, Lisboa, n. 6, p. 59-76, 2005.
SILVA, Jarbas Vieira da; ANDRADE, Maria Júlia Gomes. Introdução. In: MILANEZ, Bruno; LOSEKANN, Cristiana (orgs.). Desastre no Vale do Rio Doce: antecedentes, impactos e ações sobre a destruição. Rio de Janeiro: Folio Digital: Letra e Imagem, 2016. p. 23-38
TUCHMAN, Gaye. A objetividade como ritual estratégico: uma análise das noções de objetividade dos jornalistas. In: TRAQUINA, Nelson. Jornalismo: Questões, teorias e “estórias”. Florianópolis: Insular. 2016. p. 111-132
WANDERLEY, Luiz Jardim; MANSUR, Maíra Sertã; PINTO, Raquel Giffoni. Avaliação dos antecedentes econômicos, sociais e institucionais do rompimento da barragem de rejeito da Samarco/Vale/BHP em Mariana (MG) In: MILANEZ, Bruno; LOSEKANN, Cristiana (orgs.). Desastre no Vale do Rio Doce: antecedentes, impactos e ações sobre a destruição. Rio de Janeiro: Folio Digital: Letra e Imagem, 2016. p. 39-90
ZHOURI, Andréa et al. O desastre da Samarco e a política das afetações: classificações e ações que produzem o sofrimento social. Ciência e Cultura, v. 68, n. 3, p. 36-40, 2016.
Publicado
08-04-2020
Como Citar
Amaral, M. F., Souza, E. A., & Ramos, J. C. L. (2020). Os sentidos do desastre em Mariana: campos problemáticos e polifonia na cobertura do portal Estado de Minas. E-Compós, 23. https://doi.org/10.30962/ec.1919
Seção
Artigos Originais