A guerra não tem rosto de mulher

Svetlana Aleksiévitch reescreve a Segunda Guerra Mundial

  • Monica Martinez Universidade de Sorocaba, Sorocaba, São Paulo, Brasil
  • Barbara Heller Universidade Paulista, São Paulo, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: Memória. Jornalismo Literário. Segunda Guerra Mundial.

Resumo

Analisamos, em A guerra não tem rosto de mulher, de Svetlana Aleksiévitch, o método pelo qual a autora reconstruiu as narrativas das combatentes do Exército Vermelho na Segunda Guerra Mundial. A hibridização narradora-personagem caracteriza sua escritura. Estudos da memória, da história oral e do jornalismo compõem os referenciais. Os resultados sugerem: a) a força da obra reside na inclusão das vozes das mulheres excluídas nas narrativas de guerra; b) transformadas em narrativas, essa memória oral ressignifica o passado, atualiza o presente, cria vínculos de confiança entre depoentes, narradora e leitores.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monica Martinez, Universidade de Sorocaba, Sorocaba, São Paulo, Brasil

Doutora pela Escola de Comunicação da Universidade de São Paulo. Docente do Programa de Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba – UNISO, Sorocaba, São Paulo, Brasil.  Pós-doutorado pela Universidade Metodista de São Paulo – UMESP, São Paulo, São Paulo, Brasil. Estágio pós-doutoral pela Universidade do Texas – UT, Austin, Texas, Estados Unidos.

Barbara Heller, Universidade Paulista, São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutora em Teoria Literária pelo Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas. Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Paulista – UNIP, São Paulo, São Paulo, Brasil. Pós-doutorado pela Universidade Metodista de São Paulo – UMESP, São Paulo, São Paulo, Brasil  e Universidade de São Paulo –  USP, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Referências

ABDALA JÚNIOR, Benjamin. Introdução à análise da narrativa. São Paulo: Scipione, 1995.

ADGHIRNI, Zélia Leal. O jornalista: do mito ao mercado. 1. ed. Florianópolis: Insular, 2017.

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz. São Paulo: Boitempo, 2008.

AGEE, James.; EVANS, Walker. Elogiemos os homens ilustres. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ALBERTI, Verena. Manual de história oral. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

ALEKSIÉVITCH, Svetlana. A guerra não tem rosto de mulher. 9. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016a.

______. As últimas testemunhas: crianças na Segunda Guerra Mundial. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

______. O fim do homem soviético. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016b.

______. Vozes de Tchernóbil: a história oral do desastre nuclear. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016c.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévsky. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2013.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: ______ Magia, técnica, arte, política. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012. p. 272. (Obras escolhidas, v. 1).

CHRISTOFOLETTI, Rogério. A medida do olhar: objetividade a autoria na reportagem. [s.l.] Universidade de São Paulo, 2004.

DA SILVA, Márcia Veiga.; MAROCCO, Beatriz. The Feminine in the “Reporter Book”: An Epistemological View on Gender and Journalistic Practices. Brazilian Journalism Research, v. 14, n. 1, p. 30-53, 30 abr. 2018.

DUARTE, Jorge. Entrevista em profundidade. In: DUARTE, Jorge.; BARROS, Antonio. (Ed.). Métodos e técnicas de pesquisa em Comunicação. São Paulo: Atlas, 2005. p. 62-83.

GONÇALVES, Emerson Campos.; LOUREIRO, Robson. Limites entre Jornalismo e literatura em “A Guerra Não Tem Rosto De Mulher”, de Svetlana Aleksiévitch: Uma Análise Do Narrador A Partir Do Conceito Benjaminiano De Erfahrung. Via Atlântica, n. 34, p. 193-210, 21 dez. 2018.

HELLER, Barbara.; PERAZZO, Priscila. Ferreira. Lembrar para não esquecer, não esquecer de lembrar: diários e memórias do holocausto. Contracampo, v. 35, n. 1, p. 106-124, 2016.

HERSEY, John. Hiroshima. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

KRAMER, Mark. Breakable Rules for Literary Journalists. In: SIMS, Norman.; KRAMER, Mark. (Ed.). Literary journalism: a new collection of the best American nonfiction. New York: Ballantine Books, 1995. p. 21-34.

LEMOS, Jaqueline. Escuta, testemunho e memória na narrativa de Svetlana Aleksiévitch. In: Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo, 14., 2016, Palhoça. Anais... Palhoça/SC: Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, 2016. Disponível em: <http://sbpjor.org.br/congresso/index.php/sbpjor/sbpjor2016/paper/viewFile/44/47> Acesso em: 09 fev. 2019.

LIMA, Edvaldo Pereira. O jornalismo literário e a academia no Brasil: fragmentos de uma história. Famecos, v. 23, n. 1, p. 1-19, 2016.

MARCHETTO, Arthur. Vozes anônimas da União Soviética: o trajeto estilístico de Svetlana Aleksiévitch. In: Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo, 16., 2018, São Paulo. Anais...São Paulo: Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, 2018. Disponível em: <http://sbpjor.org.br/congresso/index.php/sbpjor/sbpjor2018/paper/viewFile/1453/948>. Acesso em: 09 fev. 2019

MARTINEZ, Monica. Reflexões sobre jornalismo e história oral: um campo com mais convergências do que dissonâncias. Revista Observatório, v. 2, n. 1, p. 75, 1 maio 2016..

MARTINEZ, Monica. et al. Assessoria de imprensa, narrativas midiáticas e saúde: simbiose de fontes, jornalistas, leitores, personagens e afetos. Intexto, v. 38, n. jan-abr, p. 197-224, 2017.

MARTINS, Jaqueline. Lemos. O autor e o narrador nas tessituras da reportagem. [s.l.] Universidade de São Paulo, 2016.

MEDINA, Cremilda. Entrevista: o diálogo possível. 2. ed. São Paulo: Ática, 1990.

______. Narrativas da contemporaneidade: epistemologia do diálogo social. Tríade, v. 2, n. 4, p. 8-22, 2014.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1996.

MEIHY, José. Carlos Sebe Bom; RIBEIRO, Suzana Lopes Salgado. Guia prático de história oral. São Paulo: Contexto, 2011.

NASSIF, Luis. O discurso de Stalin na vitória sobre a Alemanha. Disponível em: <https://jornalggn.com.br/historia/o-discurso-de-stalin-na-vitoria-sobre-a-alemanha/>. Acesso em: 10 fev. 2019.

PERAZZO, Priscila Ferreira. Narrativas orais de Histórias de Vida. Comunicação e Inovação. v. 16, n. 30, p. 121-131, jan-abr 2015.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

______. Memória e identidade social. Estudos Históricos, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

RICOUER, Paul. Tempo e narrativa: a intriga e a narrativa histórica. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo/Belo Horizonte: Companhia das Letras; UFMG, 2007.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

THOMSON, Alistair. Recompondo a memória. Questões sobre a relação entre a história oral e as memórias. Projeto História, São Paulo, v. 15, p. 51-84, 1997.

UNITED STATES HOLOCAUST MEMORIAL MUSEUM. Invasão da União Soviética: junho de 1941. Disponível em: <https://encyclopedia.ushmm.org/content/pt-br/article/invasion-of-the-soviet-union-june-1941>. Acesso em: 10 fev. 2019.

Publicado
28-06-2020
Como Citar
Martinez, M., & Heller, B. (2020). A guerra não tem rosto de mulher: Svetlana Aleksiévitch reescreve a Segunda Guerra Mundial. E-Compós, 23. https://doi.org/10.30962/ec.1990
Seção
Artigos Originais